BBCE recebe aval para atuar como balcão organizado

ONS Verifica redução da carga média de energia nos últimos dias
25 de março de 2020
ANEEL libera operação comercial da maior térmica do Brasil, localizada em Sergipe
25 de março de 2020
Mostrar tudo

Em decisão unanime, colegiado da CVM concedeu autorização mediante cumprimento de condições

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou o Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE) a operar como administradora de mercado de balcão organizado, abrindo caminho para os planos da plataforma de negociar derivativos de energia com registro e liquidação na BBCE. A empresa, porém, deverá atestar o cumprimento de condições estabelecidas pela autarquia antes de começar a funcionar.

“Por unanimidade, acompanhando as conclusões da área técnica, o Colegiado decidiu conceder a autorização pleiteada sob condições suspensivas, cabendo ao Colegiado atestar oportunamente o implemento das condições estabelecidas”, decidiu a CVM em reunião realizada na última terça-feira, 17 de março.

No início do mês, a Agência CanalEnergia havia noticiado que a autarquia estava próxima de conceder a autorização à BBCE, tanto que a plataforma marcou coletiva de imprensa para 11 de março, apostando na aprovação do tema na reunião da semana passada, porém a conclusão do processo acabou sendo adiada por uma semana.

Há anos o setor elétrico flerta com um balção organizado para negociar contratos de energia elétrica e derivativos. Em 2016, esse projeto quase saiu do papel com a BRIX Energia, plataforma criada pelo bilionário Eike Batista.

Os derivativos são contratos financeiros que derivam de um ativo (índice, preço, câmbio, ouro, entre outros). A operação é comum no mercado financeiro.

Em entrevista concedida em novembro de 2019,o presidente da BBCE, Carlos Ratto disse que a empresa havia investido R$ 5 milhões para atender as exigências da CVM e que esperava iniciar a negociação de derivativos de energia entre abril.

Balcão Organizado

O mercado de balcão organizado é um ambiente para negociação de títulos e valores mobiliários, supervisionados e fiscalizados pela CVM. Há uma série de requisitos de compliance e governança que uma instituição deve obedecer para atuar como intermediário financeiro.

Fonte: Canal Energia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *