Revisão de portaria vai garantir conexão de projetos do ACL

Mapa da migração indica estados que mais movimentaram ativos de consumo
27 de fevereiro de 2020
Abraceel espera aprovação de PL sobre modernização do setor elétrico até junho
27 de fevereiro de 2020
Mostrar tudo

Está para ser lançada consulta pública do MME para revisar a portaria 444/2016, que regulamenta a conexão no SIN de energia proveniente de leilões de energia nova, de fontes alternativas e de energia de reserva. O objetivo principal da consulta será mudar as diretrizes de cálculo de margens de escoamento da energia para os leilões.

A medida é esperada por empreendedores envolvidos em projetos de geração totalmente contratados no Ambiente de Contratação Livre (ACL), já que a portaria em vigor leva em conta nos cálculos de escoamento apenas projetos cadastrados nos leilões do ACR. A ideia é fazer o ONS incluir projetos totalmente voltados ao ACL nos cálculos, para evitar que estes fiquem sem garantia de conexão depois que as usinas vitoriosas nos leilões são implementadas.

“Esta é uma assimetria regulatória que precisa ser corrigida”, disse ao EnergiaHoje a presidente da Abeeólica, Elbia Gannoum. Segundo ela, era compreensível haver ainda essas regras voltadas apenas para o mercado regulado, já que a ideia até então era expandir a geração do país via leilões, o que serviu para consolidar por exemplo o setor eólico, que em dez anos atingiu a potência instalada de 15,5 GW.

“Mas o peso do ACR começou a cair com o efeito PIB a partir de 2015, já que os leilões se baseiam na declaração de necessidade de energia das distribuidoras”, afirmou. A partir de 2018, continua Elbia, o setor passou a procurar o mercado livre, que se tornou o modelo de negócio mais importante. “Agora essas assimetrias ficaram mais evidentes, mas o MME e a Aneel estão conscientes da necessidade de mudança da regulamentação”, disse.

“Pedimos ao MME, em um trabalho que começou em 2018, que dê diretrizes para que, quando o ONS for calcular a margem de escoamento, leve em consideração os projetos do ACL que estão na mesma região”, afirmou.

De acordo com Elbia, a expectativa é que as novas regras já estejam valendo antes do próximo leilão A-4, em maio, o que melhorará muito a vida dos vários projetos eólicos 100% no mercado livre, que não conviverão mais com a insegurança de não ter garantida a conexão ao SIN.

Segundo a Aneel, há no momento 91 projetos eólicos exclusivos do ACL, sendo 14 em andamento e 77 não iniciados, o que agregaria 2,9 GW até 2024. Projetos no ACR, aí incluindo aqueles que também têm PPAs no ACL, representam 106 projetos (49 em andamento e 57 não iniciados), ou 3,7 GW.

Parte da equação

Elbia lembra ainda que a questão da garantia de conexão é apenas parte da equação complexa que define a decisão de investimento de um projeto 100% no mercado livre. “Ainda há a questão do financiamento de longo prazo, que o mercado também aos poucos começa resolver também”, disse.

Esse cenário, explica a executiva, fez boa parte dos empreendedores dos projetos atuais com PPAs no mercado livre terem participado dos leilões de 2018 e 2019, para contratar no mínimo 30% da energia no ACR e assim garantir conexão no SIN e também mais facilidade de obtenção de financiamento de longo prazo.

Fonte: Energia Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *