Mercado livre de energia cresce 19% em 12 meses

CCEE, EPE e ONS projetam aumento de 2% na carga para 2022
5 de August de 2022
Show all

A Abraceel divulgou nesta quarta-feira, 03 de agosto, que o mercado livre de energia elétrica registrou mais uma rodada mensal de indicadores positivos, com mais consumidores que consomem cada vez mais e negociação mais acelerada de energias renováveis para clientes que querem preços mais baixos, mas também produtos ambientalmente sustentáveis. Com crescimento de 19%, o mercado livre de energia atinge 28.575 unidades consumidoras no Brasil, cerca de 0,03% diante do total de 90 milhões de consumidores elétricos.

Diante deste cenário o Brasil já regista 471 comercializadores de energia, responsáveis por negociar 63% da energia comercializada no mercado livre e por 36% de toda a energia transacionada no Brasil. Os setores de serviços e madeira, papel e celulose, nos últimos 12 meses, aumentaram seu consumo de energia livre em 89%.

Segundo o boletim mensal da Abraceel, a economia na compra da energia elétrica continua sendo um diferencial relevante. O desconto no preço da energia para os consumidores no mercado livre chegou a 38% no mês, considerando a diferença entre a tarifa média das distribuidoras (R$ 288/MWh) e o preço de longo prazo do mercado livre (R$ 174/MWh).

Além disso, o mercado livre se consolida como indutor das energias renováveis e absorveu 66% da energia gerada por usinas a biomassa, 59% por PCH, 47% por eólicas e 34% por solares centralizadas. O ML também concentrou 53% da geração de energia de fontes renováveis (eólica, solar, PCH e biomassa), terceiro maior patamar da série histórica.

Com isso, o ambiente de livre contratação é o destino de 34% da geração das usinas solares centralizadas, impulsionando novos investimentos – um ano atrás, esse volume foi de 16%.

Vale destacar que o valor se refere somente à energia propriamente dita, um dos componentes da tarifa elétrica, que é formada ainda pelos custos referentes à transmissão, distribuição, encargos e impostos. No cálculo da Abraceel, a tarifa de energia inclui a bandeira tarifária vigente, ao passo que o preço no mercado livre considera o ESS (encargos de serviços ao sistema) e a energia de reserva.

“No curto prazo, temos a perspectiva bastante positiva de ampliar o acesso ao mercado livre de energia para todos os consumidores conectados em alta tensão, o que representa mais de 100 mil novos consumidores livres em potencial”, disse o presidente executivo da Abraceel, Rodrigo Ferreira, referindo-se à portaria do Ministério de Minas e Energia publicada no dia 26 de julho, que determina a realização de consulta pública para colher contribuições para permitir que todos os consumidores de alta tensão possam escolher livremente o fornecedor de energia.

Em caso hipotético de ocorrer a migração para o mercado livre de energia de todos os consumidores hoje já elegíveis e também os que podem vir a ser beneficiados pela abertura completa do mercado de alta tensão, o ambiente de livre contratação passaria a ser responsável pelo atendimento de 48% do consumo de energia elétrica no Brasil, contra 36% atualmente.

“O mercado livre de energia pode passar a ser responsável pelo atendimento de 70% da demanda de energia elétrica brasileira quatro anos após a abertura completa do mercado de energia, quando todos os consumidores, inclusive residenciais, passarem a ter o direito de escolher o próprio fornecedor”, completa.

Fonte: Canal Energia

Leave a Reply

Your e-mail address will not be published. Required fields are marked *

//]]>